Navigation Menu+

“Coerente Incoerencia” (Poema)

Posted on maio 19, 2016 by in Poesia - Poetry - कविता | 0 comments

“Sou beduína,

e rasgo meu véu;

Como Rapunzel,
corto minhas tranças,

E lanço ao mar,
A Iemanjá.

Meio Meduza,
com síndrome de camaleão,
Sigo o fluxo …
vivo em constante mutação.

Aliás …
Para quem,
de alguma forma,
quiser me fixar;
Não custa avisar,
pode até tentar,
Mas …
Uma questão:
Será que consegues conter um vulcão?
É …
Sou cigana;
Peregrina urbana;
Hippie-contemporânea;
Espécie rara;
Praticamente uma Deusa-profana.
Auto-didata,
com experiência em meditação,
Sou espiritualista,
mesmo sem religião.
Sem nenhum batismo,
referência,
ou tradição,
Apenas intuitiva por formação,
me graduei na vida,
em evolução,
e sou especialista em poder de transformação.
Do veneno,
da dor,
Chego à cura;
E, em lágrimas,
no riso,
ou ao chorar,
Sinto-me purificar.
Mantenho a leveza,
Abraço a incerteza,
Entrego-me,
E sigo com a certeza
de que
por detrás de qualquer incoerência,
ou contradição,
Há total coerência na voz silente de meu coração.”

Por Paola Carraro (Poema registrado – todos os direitos reservados – autoria: Paola Carraro )

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *